Por que tanta gente diz não gostar de matemática?

Você já parou para pensar por que tantas crianças afirmam não gostar de matemática?

É muito comum ouvir pessoas afirmando que não gostam de matemática e que não a entendem. Na escola, ela é o terror de muitas crianças e adolescentes, fato que se reflete nos resultados brasileiros nas provas mais recentes do Pisa, o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes, pois, justamente nas avaliações de matemáticas que encontramos as piores notas. Na última edição do exame, cerca de 68,1% dos estudantes brasileiros com 15 anos de idade não possuíam o nível básico de matemática para o exercício pleno da cidadania. Esse baixo desempenho é explicado não apenas pelos poucos acertos nas questões, mas também pela alta porcentagem de desistência: 61% dos alunos brasileiros sequer conseguem chegar às últimas questões da prova ou desistem antes do final do exame.

Mas por que isso acontece? Por que tanta gente vê a matemática como um bicho de sete cabeças?

Vamos refletir sobre algumas possíveis respostas a estas perguntas.

Um problema de apresentação

O conhecimento matemático é anterior à escrita e estima-se que o homem pré-histórico já sabia contar quantidades abstratas como o tempo, além de ter conquistado noções de aritmética elementar (adição, subtração, multiplicação e divisão). Todas as primeiras civilizações tiveram seu desenvolvimento permeado pela matemática, o que tornou possível realizar avanços no manejo das plantações, criar uma organização em relação ao tempo e às estações do ano, bem como fundar as bases da astronomia, das formas de construção, e, posteriormente, do comércio.

A matemática faz parte de todos nós e da história da construção da cultura de nossa civilização. Ela é especialmente importante para nossa capacidade de generalizar, projetar, prever e abstrair, estruturando nosso pensamento e nosso raciocínio lógico. Se a matemática é uma parte tão fundamental de como pensamos, por que ela é tão temida e às vezes, odiada?

Após constatar, em pesquisa com 199 estudantes alemães do ensino fundamental, que mais de um terço deles tem uma relação negativa com a matemática, o professor, David Kollosche, da Universidade de Klagenfurt, na Áustria, tentou entender a origem desse fenômeno. Depois de fazer entrevistas e aplicar questionários, ele chegou à conclusão de que, na grande maioria das vezes, esse desinteresse é causado pela forma como o conteúdo é ensinado. A maioria dos estudantes se distancia da matemática sem sequer ter tido a chance de conhecê-la com mais profundidade.

John Mighton concorda com o ponto de vista de Kollosche e, em entrevista ao El País, afirma que não é difícil desenvolver o interesse das crianças pela matemática: “Todos gostam de resolver problemas e realizar conexões. O problema com a matemática não são as crianças, mas a metodologia com a qual é ensinada”.

Tradicionalmente, os cursos de matemática são estruturados a partir da exposição de regras e de treinamento repetitivo por meio de exercícios, sem mostrar a utilidade prática do que se está “ensinando” e sem explorar os conhecimentos prévios dos alunos. Na maior parte do tempo, os estudantes têm um primeiro contato com o tema de forma teórica e, depois, são convidados a resolverem exercícios, seguindo a estrutura apresentada pelo professor. Este modelo, de forma geral, traz rigidez e falta de significado, tornando-se algo fragmentado e descontextualizado. Priorizam-se a mecanização e a memorização em detrimento da reflexão crítica, da criatividade e da capacidade de analisar situações concretas. 

Como o ensino da matemática tem sido desinteressante há pelo menos algumas décadas, isso se reflete também no distanciamento que vários professores do Ensino Fundamental I apresentam, o que dificulta ainda mais a promoção de uma aprendizagem envolvente e significativa.

Então, se o problema está nas metodologias de ensino utilizadas na escola, como pensar em formas de mudar esse quadro e tornar a matemática mais atrativa para os estudantes? 

É preciso repensar as relações de ensino e aprendizagem

Para mudar os resultados brasileiros nas avaliações de matemática é necessário mudar a relação dos estudantes com a matéria, repensando primeiro o jeito como ela é ensinada

O primeiro ponto é que não é possível pensar em ensino sem pensar em aprendizagem.  Quando as questões estão centradas no ensino, fala-se da técnica do professor, quando, na verdade, precisamos olhar para os aprendizes. Ao nos concentramos em como as crianças aprendem, pensamos em formas de ensinar e, por isso, temos um diálogo constante entre ensino e aprendizagem.

Para despertar o interesse pela matemática, é necessário pensar em situações que considerem o aluno como sujeito ativo do processo. A aprendizagem deve ser associada ao prazer da descoberta, instigando um ambiente favorável à criação, à reflexão, à simulação do real e ao protagonismo. O conhecimento matemático deve ser construído ativamente por meio da elaboração de estratégias e da ação participativa.

A Base Nacional Curricular Comum (BNCC) coloca a criatividade, o trabalho coletivo e a autonomia no centro do aprendizado da matemática. Orienta-se que sejam exploradas metodologias que priorizam a criação de um espírito crítico para a elaboração de estratégias, justificativas e argumentação matemática através do uso de situações da vida cotidiana. O ensino da matemática deve estar associado à criatividade, à iniciativa pessoal e ao trabalho coletivo. 

O Ensino Fundamental deve ter compromisso com o desenvolvimento do letramento matemático definido como as competências e habilidades de raciocinar, representar, comunicar e argumentar matematicamente, de modo a favorecer o estabelecimento de conjecturas, a formulação e a resolução de problemas em uma variedade de contextos, utilizando conceitos, procedimentos, fatos e ferramentas matemáticas. É também o letramento matemático que assegura aos alunos reconhecer que os conhecimentos matemáticos são fundamentais para a compreensão e a atuação no mundo e perceber o caráter de jogo intelectual da matemática, como aspecto que favorece o desenvolvimento do raciocínio lógico e crítico, estimula a investigação e pode ser prazeroso (fruição).

Fonte BNCC – colocar como caixa de texto

Outro ponto que distancia as crianças dessa área do conhecimento é a homogeneização do ensino e aprendizagem. Em uma mesma sala de aula, há diferenças significativas entre as crianças; portanto, é preciso entender e aceitar a individualidade de cada estudante, respeitando o ritmo e o estilo de aprendizado de cada criança.

É preciso também respeitar as etapas necessárias à aprendizagem. Como a matemática é uma área do conhecimento enredada, ou seja, cada novo tema é dependente do anterior, é extremamente importante que o aluno construa uma base de aprendizado sólida e entenda passo a passo cada um dos conceitos. 

Brincadeiras e jogos são excelentes recursos

A atitude e as posturas características das situações de jogos muito se assemelham àquelas necessárias para a aquisição do conhecimento escolar: participação, envolvimento, concentração, proatividade para resolução de problemas, busca por soluções alternativas e atenção às normas e regras. Por isso, muito se tem falado sobre a utilização dos princípios dos jogos como recurso didático, a cada vez mais popular gamificação (puxar link para texto sobre gamificação). A gamificação utiliza mecânicas próprias dos jogos e visa propiciar maior engajamento dos alunos e promover a auto avaliação.

Em relação ao ensino e à aprendizagem da matemática, uma das principais competências a serem desenvolvidas é a capacidade de resolver problemas. Os jogos são um meio interessante e produtivo de pensar a proposição de problemas, pois permitem uma apresentação atrativa e tendem a favorecer a criatividade para que se chegue a uma solução, promovendo um aprendizado significativo e envolvente.

Aprendizagem ativa e digital: conheça a Educacross

O programa Educacross oferece experiências diferenciadas e complementares para  o ensino e a aprendizagem da matemática por meio de jogos digitais, gamificação, personalização e evidências. A Educacross desenvolve o protagonismo, o engajamento e a metacognição das crianças. 

A plataforma Educacross, pensada para alunos da Educação Infantil e Ensino Fundamental I, desperta o interesse dos estudantes pela matemática, através de jogos que motivam os alunos

Os resultados mostram que, em uma aula de 45 minutos, os alunos resolvem uma média de 70 desafios. Quando comparamos à quantidade de desafios presentes nos livros didáticos, isso corresponde a mais de um mês de atividades em sala de aula e tarefas no livro. Em pesquisas realizadas pela Educacross junto à FAPESP com mais de 300 alunos, as evidências coletadas demonstraram que os alunos solucionam pelo menos dez vezes mais desafios na plataforma do que atividades no papel e que o desempenho das crianças é pelo menos duas vezes melhor na plataforma do que no papel.

A Educacross atende integralmente ao currículo da Matemática do Ensino Fundamental I, desenvolvendo as competências e habilidades elencadas na BNCC.

Ela também otimiza o trabalho do professor, que acessa trilhas de jogos prontas e mapeadas, além de oferecer relatórios de desempenho dos alunos em tempo real e contínuo.

Os gestores também acessam relatórios que evidenciam o ensino e a aprendizagem  em sua  escola.

Desde 2021, a Educacross também oferece um programa de alfabetização para crianças de 1º e 2º anos.

Quer saber mais sobre Educacross? Acesse: www.educacross.com.br.


Fontes:

BAUMGARTEL, Priscila. O uso de jogos como metodologia de ensino da Matemática. In: Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matemática, XX EBRAPEM, Curitiba, 2018.

MOUZO, Jéssica. “O problema com a matemática não são as crianças, mas como ela é ensinada”. El País, Barcelona, 9 mar. 2017. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/03/02/ciencia/1488489539_151680.html. Acesso em: 13 out. 2020.

WOLF, Alexandre. Por que é preciso repensar as técnicas de ensino da matemática? Jornal da USP, São Paulo, 18 out. 2017. Disponível em: http://jornal.usp.br/universidade/por-que-e-preciso-repensar-as-tecnicas-de-ensino-da-matematica/. Acesso em: 15 out. 2020.

Este site utiliza Cookies e Tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência. Ao utilizar nosso site você concorda que está de acordo com a nossa Política de Privacidade.